Viver sem dinheiro

By January 3, 2017Viver sem dinheiro

Viver sem dinheiro tornou-se mais do que apenas uma experiência, tornou-se, realmente, um estilo de vida que muitos têm explorado, neste link você encontrará exemplos de pessoas que seguem esse estilo.




Para conseguir este estilo de vida, são necessárias muitas mudanças no estilo de vida atual. O resultado será uma vida de menor dependência, diminuição da ansiedade perante os problemas e uma atitude muito mais feliz perante a vida que enfrenta.

Este novo estilo de vida, como referido acima, passa por imensas mudanças, sendo que algumas delas podem ser listadas abaixo. Essas mudanças, numa fase inicial, podem ser comparadas a mudanças radicais e, para alguns, a mudanças impossíveis, mas existem imensas pessoas que adotam este estilo de vida.

Portanto ao adotar esse estilo de vida você ainda aprenderá que é possível viajar sem dinheiro, comer sem dinheiro e viver sem dinheiro.

Ser uma pessoa vivendo sem dinheiro

Viver sem dinheiro vai contra boa parte de nossa compreensão de sucesso e felicidade. No entanto, é uma escolha que tem atraído cada vez mais pessoas.

Além de diminuir o estresse associado com preocupações financeiras, viver sem dinheiro oferece diversos benefícios, como a redução do impacto ambiental e o aumento de sua compreensão e valorização pelo que possui, chegando até mesmo a ajudá-lo a viver uma vida com mais propósito. Mesmo que você decida ser impossível viver completamente sem dinheiro, essa técnica poderá auxiliá-lo a diminuir o desperdício em sua vida.

Muitas vezes por protesto ou  ideologia pessoas de todas as partes do mundo deixam para trás carreira, dinheiro e conforto para viver no que chamam de desapego total de bens materiais.

Quem escolhe viver sem dinheiro ou acaba tendo que viver sem dinheiro (sem escolha) transformasse em uma espécie de missionário na luta contra o consumo de massa e o disperdicio e transforma a solidariedade no motor da vida.

Não faltam exemplos de pessoas  que abriram mão do dinheiro. Basta uma pesquisa na internet para encontrar nomes como o de Mark Boyle ou Heidemarie Schwermer. Immanuel Kant já dizia:

“Não somos ricos pelo que possuimos, mais sim pelo que podemos fazer sem posses”.

Algumas dicas de como viver sem dinheiro 

  • Tente diminuir os gastos antes de se comprometer com uma vida sem dinheiro:

Tomar a decisão de viver sem gastar dinheiro é algo transformador, especialmente se você for responsável por outras pessoas. Pode ser útil começar pouco a pouco, passando uma semana ou um mês sem gastar dinheiro, para descobrir se esta vida é para você. Há diversas formas de reduzir os gastos no dia a dia e, mesmo que você não se decida por abandonar o dinheiro completamente.

Se você vive em uma área onde é possível andar ou pedalar até o trabalho, será possível evitar o trânsito e poupar gastos (combustível, pedágios, estacionamento, manutenção do carro) ao preferir um meio de transporte autossustentável. Além do mais, isso será ótimo para melhorar a forma física!

Experimente ficar uma semana sem fazer compras, usando apenas os alimentos atualmente disponíveis na despensa e na geladeira para preparar comida.

Se você gosta de sair em busca de entretenimento, encontre opções gratuitas em sua região. A página de algum jornal local pode ter listas das atividades e dos eventos em sua cidade que não cobram nenhum valor. Além dos livros e da internet, bibliotecas públicas costumam disponibilizar filmes que podem ser assistidos gratuitamente. Sair para caminhar ou passar a noite jogando videogames com amigos ou familiares também é sempre gratuito.

  • Examine as necessidades de você e sua família:

Se você é solteiro, viver sem dinheiro será muito mais fácil do que se tiver uma família. Como se trata de um imenso compromisso, é crucial que as suas necessidades básicas ainda sejam supridas sem dinheiro.

Por exemplo, se você ou um familiar normalmente precisam de cuidados médicos frequentes ou de medicamentos prescritos, viver sem dinheiro talvez não seja uma boa opção para a sua vida. Se você vive em condições climáticas extremas, em um lugar muito quente ou muito frio, pode não ser seguro viver sem qualquer controle de temperatura. Esse ponto é especialmente importante se a sua família inclui crianças pequenas ou pessoas idosas, que estão mais propensas a sofrer com doenças e fatalidades relacionadas ao calor e ao frio.

  • Leia sobre a experiência de outras pessoas:

Quer você queira começar uma vida nômade, como no caso da alemã Heidemarie Schwermer, ou viver completamente distanciado da civilização em uma caverna, como Daniel Suelo, ler a respeito de como tem sido para outros a experiência de viver sem dinheiro pode ajudá-lo a decidir se esse desafio é para você.

O livro The Moneyless Man: A Year of Freeconomic Living (inglês para “O homem sem dinheiro: um ano vivendo economicamente livre”, sem tradução para o português), de Mark Boyle, é um relato em primeira pessoa do que é viver sem dinheiro. O autor também escreveu blogs, um livro chamado The Moneyless Manifesto (inglês para “O manifesto dos dos que não têm dinheiro”, sem tradução para o português) e desenvolveu uma página relacionada à vida em baixo custo chamada de Streetbank.

O livro The Man Who Quit Money (inglês para “O homem que abandonou o dinheiro”, sem tradução para o português), de Mark Sundeen, é uma biografia de Daniel Suelo, um homem que tem vivido sem dinheiro há mais de 14 anos.

O documentário Living Without Money (inglês para “Vivendo sem dinheiro”), de 2012, relata a vida de Heidemarie Schwermer, uma mulher alemã que viveu sem dinheiro.

  • Considere em que você precisa investir:

Há algumas coisas capazes de facilitar a vida sem dinheiro, como hortas de vegetais, placas solares, banheiros de compostagem e poços artesanais, que exigem um investimento inicial. As recompensas financeiras associadas à redução ou à eliminação de quase todas as contas domésticas são consideráveis, mas podem não aparecer da noite para o dia.

Se você vive em uma área urbana e não é dono de sua própria casa, as opções para algumas dessas coisas pode ser reduzida. É importante que você faça pesquisas para descobrir o que é possível em seu caso.

  • Entenda que alguns gastos sempre serão necessários:

Por exemplo, se você precisa de medicamentos prescritos, não deveria apenas parar de gastar dinheiro com eles; consulte um médico antes de cessar o uso de qualquer remédio. Se você não pode ou não quer vender a sua casa, ainda será preciso pagar impostos e taxas associadas para evitar multas ou o despejo do imóvel.

No Brasil, não é obrigatório possuir um seguro de saúde. Dependendo de sua situação, pode ser mais econômico contar com essa cobertura do que pagar por procedimentos médicos avulsos sempre que necessário.

Acomodando-se e vivendo sem dinheiro

  • Viva de forma autônoma:

Encontre ou construa uma casa que funcione à base de energia solar, eólica ou outra fonte renovável. Use um poço artesanal ou um rio local para coletar água. Instale um banheiro de compostagem: ele poupa água, ajuda o ambiente e produz adubo para hortas de vegetais.

Vans residenciais (também chamadas de campers, motorhomes, caravanas ou veículos recreativos) podem ser uma boa opção se você não puder arcar com o preço de uma residência familiar com todas as comodidades necessárias. Além disso, é mais fácil encontrar uma fonte de água tendo uma casa móvel.

Mesmo que você não queira sair de casa ou viver completamente sem dinheiro, produtos como painéis solares e banheiros de compostagem são amigáveis tanto para o orçamento como para o meio ambiente.

  • Mude-se para uma comunidade com valores similares aos seus:

Há muitas comunidades cooperativas com acomodação compartilhada e objetivos e ideais conjuntos. Elas podem ser chamadas de “comunidades intencionais“, “comunas”, “ecovilas” ou “cohousing”. Você pode oferecer serviços ou comida em troca de alojamento e apoio.
Você provavelmente desejará entrar em contato com qualquer comunidade em potencial e visitá-la antes de comprometer-se a viver nela. A vida comunal não é para todos, e é importante que a sua possível casa combine adequadamente com a sua personalidade e os seus valores.

  • Viva na natureza:

Você pode precisar de algum tempo e esforço para desenvolver as habilidades necessárias, mas há diversas oportunidades para se viver longe de alojamentos convencionais. Cavernas e outros abrigos naturais podem ser boas opções.

Entenda que esse estilo de vida é cansativo e exige excelentes saúde e forma física. É improvável que essa seja uma boa opção caso você não tenha uma boa saúde ou tenha filhos ou idosos em sua família. Mude-se para um local com clima mais agradável. Viver na natureza é muito mais fácil sem imensas flutuações de temperatura, chuvas torrenciais ou frio excessivo.

  • Ter hospedagem onde quiser, quando quiser:

Uma das mudanças que terá de fazer é preparar-se para “sentir-se em casa” no mundo! Não terá um local a que chama seu, mas terá todos os locais que lhe forem permitidos. No entanto, ter esses locais não chega, terá que entregar-se ao mesmo e fazê-lo de seu durante o tempo de hospedagem.

Hoje em dia já existem diversos sites na internet que permitem a troca de hospedagem pela execução de serviços. Esta forma tornou-se popular e hoje as hipóteses são imensas! A melhor parte é que não têm sido, apenas, as pessoas a aderirem a estes programas, mas também alguns hostels.

Encontrando e cultivando comida sem gastos

  • Eduque-se a respeito das opções de comida disponíveis:

Se você planeja procurar pelo próprio alimento, encontre um bom guia que informe os tipos de plantas que crescem em sua área e quais delas são comestíveis ou venenosas. Se você deseja cultivá-la, por outro lado, pesquise a respeito dos meios mais eficazes de arar, plantar e cuidar da plantação.

Se houver alguma universidade em sua cidade, procure saber se ela tem uma extensão cooperativa. Esses escritórios costumam oferecer educação comunitária a respeito de diversos temas, incluindo o cultivo e a procura de alimento, sendo geralmente gratuito participar das aulas ou obter informações.

Lembre-se de que plantas crescem em estações. Geralmente, pequenos frutos estão prontos para a colheita no verão, enquanto maçãs e nozes amadurecem no outono. Verduras podem ser cultivadas e colhidas o ano todo. Quer você procure pelo próprio alimento ou o cultive, tê-lo à disposição o ano todo garantirá que a sua dieta seja nutritiva e equilibrada. Temos mais algumas dicas em nosso site.

  • Procure por alimentos silvestres:





Encontrar alimentos que crescem na região é uma forma agradável e ecoamigável de se passar o dia e preparar uma refeição. Mesmo que você viva em uma região urbana, os vizinhos podem ter árvores frutíferas que produzem mais comida do que eles podem usar. Ainda assim, sempre pergunte antes de pegar algo da plantação de outra pessoa.

Evite colher nozes ou plantas que exibam sinais de terem sido parcialmente consumidos por outro animal, pareçam estar quebrados, tenham caído de uma árvore ou, ainda, estejam parcialmente podres (já que provavelmente contêm proliferações bacterianas perigosas).

Evite pegar vegetais ou outras plantas nas proximidades de estradas movimentadas ou locais industriais, onde a poluição de carros ou indústrias possa ter contaminado a fonte alimentar. Em vez disso, procure por alimentos em áreas rurais e menos desenvolvidas, longe do impacto de carros, indústrias ou tecnologias. Jamais coma o que você não pode identificar. Se você não sabe ao certo se algo é perigoso, é melhor evitá-lo.

Em nosso site você encontrara outras dicas sobre alimentação inclusive sobre plantas comestiveis, como e onde encontrá-las e quais podem ser consumidas.

  • Peça a lojas, feiras e restaurantes por restos de comida:

Um grande número de mercearias e restaurantes joga fora a comida indesejada ou excedente, assim como aquela que passou do vencimento, mesmo ainda sendo comestível. Pergunte ao gerente quais são as políticas da empresa com respeito à disposição desses produtos. Você também pode perguntar a vendedores de feiras se têm restos descartados que podem ser úteis para o consumo.

Fique atento a carnes, laticínios e ovos, já que o risco de proliferação bacteriana e doenças alimentícias é maior nesses elementos. Lojas independentes ou familiares talvez sejam mais receptivas do que grandes cadeias alimentares, embora você possa encontrar empresas que dão a comida descartada.

Nesta jornada, está sozinho!

O ponto mais importante é que nesta jornada vai estar sozinho! Este ponto depende um pouco do ponto de vista, pois, de certo modo, tendo dinheiro ou não, está sempre rodeado de pessoas. No entanto, todas as dificuldades serão enfrentadas por si e, vez ou outra, por alguém que, milagrosamente, surgiu na altura certa.

Muitas pessoas passam a vida sem pensar neste ponto de forma profunda, mas enquanto estiver a aderir ao seu novo estilo de vida, irá dar-se conta que a comida que irá ingerir dependerá do seu esforço pessoal. No final do mês não vai entrar o dinheiro na sua conta, portanto não o pode orientar. Terá que orientar o momento. Terá que dar o máximo. E, caso a noite se aproxime e não tenha comida ou alojamento, terá que lutar novamente e nunca baixar os braços.

Esta é a forma mais pura de se viver. E você pode entrar nesta jornada hoje mesmo. Conheça-se como nunca o conheceram! Sinta-se livre como nunca achou ser possível. E torne-se o seu melhor amigo. O companheiro de todas as horas.

Estas mudanças permitem melhorar o estilo de vida e a atitude perante a vida. Também permitem uma maior possibilidade de viajar e, de certo modo, de estar em contacto consigo próprio.

Experimente todas as dicas que temos para oferecer, assim como alguns casos que servem de inspiração, e permita-se viver a vida como esta deve ser vivida!